quarta-feira, 28 de Outubro de 2009

Treino técnico-táctico I II III IV Paulo Pereira

Treino técnico-táctico e desenvolvimento das capacidades motoras (parte I)
Embora não partilhe no seu todo das ideias que sustentam a "periodização táctica", abro aqui um tema actual de discussão que procura a relação ideal na forma de trabalhar os factores técnicos e tácticos juntamente com os factores associados às capacidades físicas requeridas para o jogo.
Este texto foi amavelmente cedido por Pedro Daniel Violante Teixeira e surge no âmbito de uma reflexão resultante dos trabalhos que decorrem no 2º Master Coach actualmente em curso em Portugal.
Que relação estabelecer entre treino técnico-táctico e o desenvolvimento das capacidades motoras?

UM NOVO CONCEITO

A “norma de treinar” dedica grande parte das suas preocupações a desenvolver pretensas capacidades que são tidas como fundamentais e por isso merecedoras de particular atenção. Força rápida, força resistente, força explosiva, velocidade de reacção velocidade de deslocamento, velocidade resistente, resistência anaeróbia, são tudo factores treináveis.

Numa lógica de “treino integrado” ou em conceitos mais compartidos de aquisição das referidas capacidades, no processo tradicional de treino, são usuais sessões de treino fora do recinto do jogo, as sessões de treino bidiárias, os treinos intervalados, os treinos em circuito ou por estações, os exercícios continuados extensivos, continuados intensivos, intervalados extensivos, intervalados intensivos e outros mais.

Surgiu no futebol há poucos anos um novo conceito que questiona estes métodos, a “Periodização Táctica” pondo em equação dois conceitos “Treinar para jogar” ou “Treinar para treinar para jogar”, e falo destes conceitos chave, na medida em que este último tem sido alvo de inúmeras comunicações na nossa modalidade, na sua maioria pelo conceituado Fisiologista “José Soares”.

Ao longo da minha formação fui tendo acesso a diversos métodos de trabalho, e que servem de base aos fundamentos do trabalho que fui fazendo, que se por um lado quase todos se revelaram singulares, por outro, todos nos remetem para o tal “Treinar para treinar para jogar”, pelo que existe um domínio razoável dos conceitos. É certo que esse domínio é relativo e todos os dias nos surgem dúvidas metodológicas, contudo nesta reflexão gostaria de uma forma lata abordar uma nova ideia que foi implementada num desporto colectivo – futebol. Será que poderemos encontrar algumas respostas para alguns problemas que nos vão surgindo na nossa modalidade?

“Periodização táctica” – “Treinar para jogar” – Uma experiência no futebol.

Todo o processo de treino é consubstanciado por um modelo de jogo construído e conceptualizado em princípios, subprincípios e subprincípios dos subprincípios de jogo. O domínio absoluto deste plano é decisivo para a construção de um método de treino

Oliveira, Amieiro, Resende e Barreto dizem:
“Mourinho, em momento algum perde a ideia do todo – do seu jogar. Não o concebe estilhaçado em quaisquer factores e, nessa medida, resistência aeróbia, força resistente, etc, não são factores que mereçam atenção da sua parte. Sabe que algo parecido com isso existe no seu jogar, mas como consequência do acontecer do mesmo. E sabe também que só subordinar de todo o processo de treino à supra dimensão táctica, lhe permite mobilizar a subdimensão física na singularidade que o seu jogar requisita.”

Contudo a subdimensão física serve de critério para calibrar a relação desempenho recuperação no padrão semanal de treino.
Publicada por Paulo Pereira em 8:56

Treino técnico-táctico e desenvolvimento das capacidades motoras (parte II)
Mourinho diz:
“As minhas preocupações diárias são dirigidas para a operacionalização do nosso modelo de jogo. Contudo, a estruturação da sessão do treino e do que fazer em cada dia não está apenas relacionada com objectivos tácticos, mas também com o regime físico a privilegiar, na medida em que tenho de ter em conta, por exemplo, os aspectos da recuperação, nomeadamente no que diz respeito à proximidade ou não do jogo anterior e do próximo. Portanto, num determinado dia o trabalho táctico-técnico incide mais sobre a recuperação do último jogo, noutro dia sobre aquilo a que eu para simplificar chamo força técnica, e assim sucessivamente.”

Oliveira, Amieiro, Resende e Barreto dizem:
“Há que ter a noção de que, para se poder progredir, é também preciso ordenar, hierarquizar. Isso é que leva ao operacionalizar! Mas, atenção, não é a convencional progressão do geral para o específico, do volume para a intensidade, do aeróbio para o anaeróbio. É uma progressão que diz respeito à hierarquização dos princípios de jogo, por um lado, e àquela que acontece com a diferenciação do esforçar ao longo da semana por outro. Estamos portanto a falar de uma progressão como pano de fundo da aquisição de jogar e ela acontece, pelo menos, a três níveis: ao longo da época, ao longo da semana – em função do que foi o jogo anterior e o que será o próximo – e ao longo de cada unidade de treino. É pois uma progressão complexa, onde cada um dos níveis tem a ver com os demais.”

Mourinho diz:
“Logo a partir do segundo microciclo semanal da época, e estou a falar do período ao qual convencionalmente chamamos de período pré-competitivo, os microciclos são basicamente iguais até ao final da época. Quer ao nível dos princípios e objectivos de trabalho, quer em termos físicos. Só ao nível da dominante táctico-técnica é que vou fazendo alterações nos conteúdos a potenciar, em função das dificuldades sentidas no jogo anterior e daquilo que vai ser o próximo. Mas, falando da dimensão física, que é aquela que está mais associada à periodização convencional, os objectivos são os mesmos desde o segundo micro ciclo até ao último. O primeiro micro ciclo é de adaptação, em que eu procuro fazer uma readaptação ao esforço não mais do que isso.
Nessa primeira semana não procuro qualquer incremento a esse nível, mas simplesmente que eles se adaptem aquilo que é a especificidade do jogo. A partir da segunda são ciclos semanais que se repetem. Portanto, só utilizo micro ciclos semanais. Aquelas que são as minhas linhas mestras em termos de padrão semanal ao nível da dominante física são iguais tanto no mês de Julho como no mês de Abril do ano seguinte.”

Oliveira, Amieiro, Resende e Barreto dizem:
“Com jogo domingo a domingo, Mourinho tem permanentemente três dias em que procura, de uma forma mais incisiva o crescimento dos desempenhos da equipa – a quarta, a quinta e a sexta-feira – sem que possa alienar o que o jogo anterior lhe trouxe e o que tem de salvaguardar por não saber o que o seguinte lhe vai trazer.”

É nestes três dias que a lado aquisitivo do treinar está mais presente, em que o desenvolvimento das capacidades condicionais estão mais presentes, mas sempre com a supra dimensão do táctico como motor.


Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008
Treino técnico-táctico e desenvolvimento das capacidades motoras (parte III)
Mourinho diz:
“Ao privilegiar a vertente táctica, portanto, a organização que eu pretendo, estou a privilegiar todas as componentes do rendimento, pois é por necessidade do táctico que surgem todas as outras. É a partir do trabalho táctico, da operacionalização do meu modelo de jogo, que vou conseguir uma adaptação específica nas outras componentes. Se o nosso táctico é singular, tudo o que dele deriva é singular também. Por isso é que eu digo que não acredito em equipas mal preparadas fisicamente, mas em equipas identificadas ou não com uma determinada matriz de jogo, adaptadas ou não a uma determinada forma de jogar. Porque a adaptação fisiológica é sempre específica, singular, de acordo com essa forma de jogar”

“Julgo que é importante definir a imagem que quero dar quando falo em força, resistência e velocidade no futebol. Os conceitos tradicionais que podemos encontrar nos livros sobre metodologia de treino são gerais e ficam muito aquém do que eu penso que devem ser. Eu não perspectivo a força, a resistência e a velocidade de um ponto
vista quantitativo, mas contextualizado àquilo que é o futebol e, fundamentalmente, à nossa forma de jogar.
Não temos a preocupação de quantificar se o jogador faz dez ou quinze mudanças de direcção. A nossa preocupação, na construção do exercício, é que o mesmo em si arraste consigo uma dominância dessas acções. ”

Quando falamos em especificidade normalmente falamos em trabalho de compensação com a finalidade, essencialmente, de prevenirmos lesões, também aqui o conceito é muito diferente.

Mourinho diz:
“O facto de as minhas equipas terem poucas lesões não traumáticas não é acaso. O treino tem aqui um papel determinante. O músculo está tanto mais preparado para o esforço e para a época quanto mais específico for o trabalho realizado. Isto é linear, é pragmático e é básico. E o que é que prepara melhor o músculo? São as acções que nós denominamos, para mais fácil entendimento, de “força técnica”, isto é, acções táctico-técnicas realizadas a intensidades altíssimas e a velocidade elevada. Por exemplo, uma travagem seguida de um contacto físico e de uma mudança de direcção com um sprint é uma acção de força muito mais específica do que um press de pernas de 200Kg.

Portanto, o músculo está muito mais preparado e adaptado para o esforço do jogo se trabalharmos desta forma.
Por vezes, as pessoas estão obcecadas com a vertente física, que só vêem o músculo como um órgão gerador de trabalho e não como um órgão sensível. Esquecem-se que ele é um órgão sensível com uma capacidade absolutamente fantástica de adaptação ao movimento regular.”



Sábado, 29 de Novembro de 2008
Treino técnico-táctico e desenvolvimento das capacidades motoras (última parte )
Este é um novo método, um método utilizado no futebol, um método que obteve resultados muito relevantes e esse é o desígnio do alto rendimento, mais do que avaliar se esses sucessos estão ligados a este conceito ou a factores de outra ordem, interessaria perceber os princípios gerais e fazer o transfer para o andebol:

De uma forma geral:

1 - Definir claramente e exaustivamente o nosso processo de jogo, recorrendo à hierarquização dos princípios de jogo.
2 – Definir as solicitações fisiológicas inerentes a cada princípio nas várias fazes do jogo.
3 – Construção do microciclo, que por conceito é imutável durante a época toda, equacionando os momentos de aquisição e de recuperação, potenciando a progressão.
4 – Trabalho de criação de exercícios que consubstanciem a construção das unidades de treino, sempre numa lógica de ligação íntima à supradimensão táctica.

Interessa reter este novo conceito, ainda que pouco sustentado no plano científico essencialmente por duas ordens de razão: quer por não se conhecer exaustivamente o desenvolvimento do método quer por ser um método de carácter qualitativo, pouco mensurável e consequentemente de mais difícil investigação. Interessa reter, em primeira instância, na medida em que o jogo de andebol é substancialmente mais rico no plano táctico do que o futebol, pelo que um método que potencie a sistematização dos detalhes afectos a esse plano parece-me logo, só de si, um factor abonatório e se nesse registo potenciarmos as tais capacidades condicionais, é bem claro então que estamos a rentabilizar as unidades de treino.
Por outro lado, todo este encadeamento de novas ideias põe claramente em causa uma série de conceitos, que por serem mais ou menos consensuais, quase se tornaram axiomáticos na teoria do treino para o alto rendimento, há que, ao invés, estarmos abertos às novas tendências e questionarmo-nos, investigarmos e desmistificarmos qualquer verdade até então inquestionável.